Philip Schaff em resposta sobre o suicídio de Lutero

Suicídio de Lutero

Lutero cometeu suicídio?

No fim do século 19 polemistas católicos reavivaram a antiga lenda sobre a morte de Lutero segundo a qual o reformador teria cometido suicídio. No século seguinte a lenda percorre em círculos de fanáticos e leitores romanistas mais restritos até figurar no atual século 21 entre as principais calúnias usadas contra a memória de Martinho Lutero em diversos sites e ambientes virtuais onde a apologética católica se expressa livremente. Mais precisamente no decorrer de 1980, o Padre Majunke, uma das principais fontes da calúnia junto a Thomas Bozius seu precursor, inicia uma série de publicações onde pretendia provar historicamente que Lutero era um suicida.

Foi daí que no fim daquele mesmo ano, um dos maiores historiadores do cristianismo, o conceituado Philip Shaff publicou um artigo na revista The Magazine of Christian Literature para abordar a questão e expor não apenas sua própria resposta mas também como de fato a caluniosa alegação não passa de um mito mais do que refutado. Uma cópia do artigo de Philip está disponível nos arquivos digitalizados do Google Books, do original em inglês "Did Luther Commit Suicide?". Abaixo segue a transcrição e edição do artigo de 6 páginas que traduzi na integra e que anteriormente mencionei em "A lenda do suicídio de Lutero".

Sobre a morte de Lutero

Em 18 de fevereiro de 1546, o Dr. Martin Luther deu seu último suspiro na cidade de Eisleben, onde havia nascido em 10 de novembro de 1483, e tudo o que havia de mortal no homem que abalou a igreja e o mundo, era agora um cadáver sem vida. A causa imediata de sua morte foi apoplexia cardíaca, mas ele sofreu de enfermidades físicas por vários anos. É de admirar que ele não tenha entrado em colapso antes sob o peso de seu conflito hercúleo com o mais poderoso sistema de despotismo espiritual que durante séculos controlou as consciências da Europa cristã. Teria sido melhor para sua fama se ele tivesse morrido dezesseis anos antes em Coburg durante a Dieta de Augsburg, quando estava no auge de seu poder e utilidade.

Um mito ressurge

Durante a última primavera e verão de 1980 uma acalorada discussão foi travada na Alemanha entre romanistas e protestantes sobre a morte de Lutero iniciada por Paul Majunke, que reviveu seriamente o mito há muito destruído do suicídio de Lutero. 

Majunke é um padre católico romano ex membro da Câmara dos Deputados na Prússia e editor da "Germania", o principal órgão do ultramontanismo em Berlim, onde, de acordo com a profecia do Cardeal Wiseman, a guerra entre o Romanismo e o Protestantismo deve ser travada. Em seu panfleto ele afirma que Lutero, após uma farta refeição, onde como sempre se embriagava, morreu repentina, inesperada e miseravelmente por suas próprias mãos. 

O panfleto de Majunke passou por quatro edições (o que significa muito, já que os panfletos raramente pagam as despesas de impressão). Foi seguido de uma resposta aos seus oponentes, e por outra, que ele chama de Uma Última Palavra aos Poetas de Lutero (referindo-se aos biógrafos protestantes de Lutero). Sua principal fonte é um servo desconhecido de Lutero, que, muitos anos após sua morte, teria declarado que encontrou seu mestre na manhã de 18 de fevereiro de 1546: "juxta lectum suum pensilem et misere strangulatum"[Pendurado ao lado de sua cama e estrangulado miseravelmente] (p. 27). Todas as suas outras referências são romanistas raivosos como Cócleaus, Cornelius a Lapide, Sedulius, Bozius, Helmesius e Hosius que apenas repetem com várias modificações e parciais contradições, o boato de uma morte súbita e violenta de Lutero, infligida a ele por suas próprias mãos ou pelo próprio diabo. 

A causa de Majunke foi apoiada por um certo Dr. Martin Honef, em um panfleto de 92 páginas, no qual ele repete incessantemente, sem qualquer prova mas apenas rumores vagos, que Lutero se enforcou com seu lenço na cabeceira da cama! Nunca li um tratado mais sem valor, mas ele merece ser mencionado como uma ilustração da superstição tola e baixa vulgaridade que uma certa classe de romanistas ignorantes ou malignos são capazes de demonstrar.[1] 

Felizmente, existem outros católicos, mesmo da extrema escola ultramontana, que são imparciais, honestos e eruditos o suficiente para repudiar essas produções e dar crédito à verdade da história. Até Janssen, o campeão do renascimento literário do ultramontanismo alemão, que primeiro foi mencionado como concordando com Majunke, escreveu a ele (já que ele tem a masculinidade de informar ao público em sua Última Palavra, p. 51) que a afirmação do suicídio de Lutero não lhe parecia ter fundamento suficiente.

Majunke foi respondido por dois eminentes estudiosos de Lutero, o Professor Dr. Kolde, de Erlangen, e o Professor Dr. Kawerau, de Kiel. Eles têm vindicado com sucesso a verdade da história contra a falsa calúnia para todos aqueles que não fecharam seus ouvidos aos claros e fortes relatos de testemunhas honestas e confiáveis.

Tal controvérsia constitui um episódio característico da grande guerra literária entre o Romanismo e o Protestantismo, que foi revivida e estimulada pela Kulturkampf e o conflito entre o Príncipe Bismarck e o Papa sobre as leis anti-papais da Prússia. Portanto, é digno de uma discussão séria.

Boatos sobre a morte de Lutero

Uma falsa história da morte de Lutero foi divulgada um ano antes de realmente ocorrer por um escritor italiano anônimo em um pequeno panfleto que está incorporado nas obras de Lutero.[2] De acordo com este relato prematuro, Lutero, em seu leito de enfermo, exigiu e recebeu o santo sacramento do corpo de nosso Senhor Jesus Cristo, e morreu imediatamente. Antes de sua morte, ele ordenou que seu corpo fosse colocado no altar e adorado como um deus (come Dio fosse adorato), mas em seu enterro ouviu-se uma terrível voz e comoção, como uma tempestade do inferno, que assustou os espectadores. Quando ergueram os olhos para o céu, viram o santíssimo sacramento no ar. No dia seguinte, ao abrir a sepultura, nem carne, nem osso, nem roupa foi vista, mas um fedor vil de enxofre subiu e adoeceu todos os presentes. Por esta ocorrência, muitos foram convertidos à santa Igreja, que é a coluna da verdade.

Lutero republicou este panfleto italiano com uma tradução alemã e algumas notas, nas quais diz: "Eu, Martinus Lutherus D., confesso e testemunho com este escrito que recebi esta colérica ficção da minha morte em 21 de março, e li com grande prazer, exceto a blasfêmia ... Que Deus converta o papa e os papistas do diabo"

Majunke teve a audácia de afirmar que essa história foi fabricada pelo próprio Lutero para neutralizar o Concílio de Trento, que se reuniu no mesmo ano. Mas Lutero sabia pouco ou quase nada de italiano, e o panfleto foi enviado a ele por Filipe de Hesse com uma carta datada de 12 de março de 1545, que está impressa em Rommel's Philipp von Hessen III., 108, e na resposta de Kolde a Majunke, p. 22. O Landgraf (nobre do condado) informou a Lutero que havia recebido o panfleto de um homem honesto de Augsburgo, que mandou traduzi-lo por um de seus cortesãos que sabia italiano e que desejava que fosse devolvido a ele. Ele escreveu no mesmo dia ao Eleitor da Saxônia, pedindo-lhe que encaminhasse o folheto a Lutero, e incluindo a escrita de seu correspondente de Augsburgo, que disse que a difamação havia sido impressa em Nápoles e em muitos outros lugares (Seckendorf, Hist. Lutheranismi , III., 580). Temos também a resposta do Eleitor de ter encaminhado a calúnia (Seckendorf, lc) e a resposta de Lutero de 21 de março, na qual diz: “Mandarei imprimir o folheto em italiano e alemão, pois não é digno de outra resposta . Eu apenas mostrarei que o li "(Seidemann's supplement to De Wette's ed. of Luther's Briefwechsel, VI., 373).

Após a morte de Lutero, a imaginação de seus inimigos inventou todo tipo de boatos - que ele cometeu suicídio, ou que o Diabo o levou; que uma nuvem de corvos negros seguiu seu cadáver; que o caixão foi encontrado vazio mas com um intolerável fedor infernal.

Não precisamos nos maravilhar com esses e outros rumores semelhantes. Parecia impossível aos papistas supersticiosos que um arqui-herege como Lutero pudesse partir em paz. A crença de que existe uma conexão íntima entre pecado e punição, que é verdade em geral, mas não em todos os casos particulares, foi alimentada e falsamente aplicada pelos inimigos de Jó, e foi repreendida por nosso Senhor no caso do homem nascido cego (João 9:3). Lactâncio escreveu um livro (De Mortibus Persecutorum) para traçar nas terríveis mortes dos imperadores perseguidores a justiça punitiva de Deus, mas esqueceu que Trajano e Marco Aurélio, que perseguiam a Igreja (ignorantemente, como Saulo), estavam entre os melhores imperadores, e morreram de morte natural. A morte repentina de Ário no banheiro foi interpretada por amigos de Atanásio como um julgamento e advertência contra a heresia. 

Após a morte de Oecolampadius, os romanistas espalharam o boato de que ele havia cometido suicídio, e até Lutero estava inclinado a pensar o mesmo; pois ele nunca superou inteiramente a intolerância da igreja medieval na qual foi criado, e acreditava no poder do diabo para matar pessoas. Também considerou a trágica morte de Zwínglio em Cappel como um julgamento divino por sua heresia sobre a doutrina da presença real, e duvidou de sua salvação.

Em nossos dias, após a morte do Dr. Döllinger, ocorrida em 10 de janeiro de 1890, duas notícias falsas circularam nos jornais católicos, uma de que ele morreu como Ário, e outra de que havia se retratado de seu vetero-catolicismo e retornado à Igreja Romana. O primeiro relatório foi imediatamente refutado pelo testemunho de seu médico, o segundo pela publicação póstuma de suas Cartas, nas quais ele recusa todos os convites para retornar. (Briefe und Erklärungen von J. von Döllinger über die Vaticanischen Decrete, editado por seu amigo, Dr. Reusch, de Bonn, Munique, 1890. Compare um artigo nesta Revista, Vol. III., 123 sqq.) É bem sabido que a história circulou laboriosamente e milhares de católicos ignorantes acreditam que o pobre papa desde 1870 é literalmente um prisioneiro no Vaticano e obrigado a dormir na palha, embora o Vaticano tenha 11.000 quartos, com abundância de boas camas, e está rodeado por um dos maiores e mais belos jardins.

Os fatos autênticos sobre a morte de Lutero


Vamos agora revisar os fatos autênticos da morte de Lutero.

1. Das últimas semanas de vida de Lutero, temos suas próprias cartas para sua esposa e para Melanchthon.[3] 

Nestes ele dá um relato dos incidentes que ocorreram em sua viagem de Wittenberg a Eisleben de 25 de janeiro a 14 de fevereiro de 1546 - isto é, até quatro dias antes de sua morte.

Ele reclama de sua saúde precária e das enfermidades da velhice, e tem algumas palavras duras a dizer sobre os cinquenta judeus em Eisleben e os advogados de quem ele não gostava; mas, no geral, ele estava de bom humor e se entregava ao seu humor estranho de sempre. Ele se dirige à esposa: "Meiner lieben Hausfrauen Katharin Lutherin Doctorin Zulsdorferin, Saumärkterin und was sie mehr sein kann;"  e também "Der tiefgelehrten Frauen Katharin Lutherin, meiner gnädigen Hausfrauen zu Wittenberg." Ele informa que gostou do "Naumburgisch Bier" e do Vinho do Reno, com os quais foi generosamente tratado em Eisleben pelos Condes de Mansfeld. Ele acalma os temores dela em relação à sua saúde, dirigindo-a ao Evangelho de João e ao seu pequeno Catecismo, e lembra-lhe que o Deus Todo-Poderoso poderia fazer dez doutores Lutero sem nenhum problema.[4] Nas duas últimas cartas a Melanchthon e a seu Kæthe (ambas escritas em 14 de fevereiro), ele os informa que o negócio que o chamou a Eisleben foi satisfatoriamente ajustado e que ele esperava retornar dentro de uma semana a Wittenberg. Não há uma palavra nem um indício em todas essas últimas declarações de Lutero de que ele estava minimamente abalado em sua fé ou turvado em sua mente, ou contemplou fazer qualquer violência a si mesmo. Tais fatos provam exatamente o contrário.

2. O último manuscrito de Lutero. 

No dia 16 de fevereiro, dois dias antes de sua morte, ele escreveu as seguintes frases em um pedaço de papel, que foi encontrado em sua mesa após sua morte:
"Ninguém entenderá Virgílio em suas Bucólicas, se não tiver sido pastor por cinco anos;
"Ninguém entenderá Virgílio em sua Geórgica, se não for fazendeiro por cinco anos;
"Ninguém pode entender Cícero em suas cartas, se não esteve envolvido por vinte e cinco anos nos assuntos de um grande estado;
"Que ninguém acredite que provou o suficiente das Sagradas Escrituras, se por cem anos não governou as igrejas, com os profetas Elias e Eliseu, com João Batista, Cristo e os apóstolos.
"'Hanc tu ne divinam Æneida tenta, 
  Sed vestigia pronus adora.'"[5]
"Somos pobres mendigos. Hoc est verum, 
16 de fevereiro, ano de 1546." [6]
Estas são as últimas palavras da pena do Reformador. São totalmente características e testemunham sua humildade e profundo senso das riquezas inesgotáveis da Palavra de Deus. Ninguém inferiria deste documento, ignorado por Majunke, que o autor moribundo estava às vésperas de cometer suicídio.

3. Um relato completo da última viagem, doença e morte de Lutero a pedido do Duque João Frederico I, Eleitor da Saxônia foi preparado por três amigos e testemunhas oculares, Dr. Justus Jonas, de Halle, o mestre Michael Celius, capelão do tribunal em Eisleben, e Aurifaber, secretário de Lutero e editor de sua Conversas à Mesa. Afirmam no fim que estiveram presentes no final feliz do Padre Lutero até seu último suspiro, e que nada relataram além do que ouviram e viram, junto com príncipes, condes, senhores e outros que estiveram presentes.

O documento foi impresso em Wittenberg e Frankfurt, em 1546, em forma de panfleto, e está incorporado nas edições maiores das obras de Lutero.[7] A seguir estão os principais fatos de acordo com essas três testemunhas:
  • No dia 23 de janeiro de 1546, Lutero deixou Wittenberg com relutância em obediência a um convite dos Condes de Mansfeld, que desejavam que ele resolvesse uma controvérsia entre eles. Ele se aventurou na perigosa jornada de inverno na esperança de fazer as pazes. Na primeira noite, ele parou em Bitterfeld.
  • No dia 24, às 11h, chegou a Halle, onde passou três dias com seu amigo e ex-colega Dr. Jonas. Detido pela enfermidade (a pedra da qual ele sofreu muito); no entanto, ele pregou sobre a conversão de Paulo na Igreja de Nossa Senhora.
  • No dia 28 de janeiro partiu para Eisleben, acompanhado dos três filhos e do Dr. Jonas. Ao atravessar de barco o rio Saale, disse, em tom de brincadeira, a Jonas: "Caro Doutor Jonas, não seria um grande prazer para o diabo se eu, Doutor Martinus, com três filhos e contigo me afogasse?". Na fronteira do território de Mansfeld foi recebido por cento e treze cavaleiros. Ele se sentiu muito fraco na carroça e desmaiou, mas se recuperou após ser esfregado com panos quentes. Permaneceu em Eisleben de 20 de janeiro a 17 de fevereiro, atendeu aos negócios dos Condes de Mansfeld, pregou quatro sermões, comungou duas vezes e ordenou dois ministros "segundo a maneira apostólica". Ele também confessou e recebeu absolvição à maneira católica a que aderiu.[8]
  • Na noite anterior à sua morte, ele falou muito sobre a morte e a eternidade. Após a ceia, retirou-se para seu quarto, seguido por seus filhos Martin e Paulo, e pelo mestre Celius, e orou como de costume diante da janela. Reclamou de dores no peito e depois de tomar alguns remédios, dormiu até as dez horas. Ao acordar, fez o estranho comentário ao Dr. Jonas (que havia sido chamado ao quarto do enfermo) e ao Mestre Célio: Rogai todos, meus amigos, pelo Evangelho de Nosso Senhor, para que o seu reinado seja prolongado, porque o Concílio de Trento e o Papa o ameaçam muito."[9]
  • Jonas, Celius, os dois filhos de Lutero, seu servo Ambrósio e outros servos permaneceram com ele durante a noite. Ele acordou à uma hora e disse a Jonas: "Ai, meu Deus, estou tão mal. Acho que ficarei aqui em Eisleben, onde nasci e batizei". Ele repetiu em latim as palavras do Salmo 31: 5 "Em manus tuas commendo spiritum meum; redemisti me, Domine, Deus veritatis.". Ele novamente reclamou de angústia no peito. Dois médicos, o conde Albrecht e a condessa, e outras pessoas foram chamados à sua cabeceira e administraram remédios. Ele orou: " Ó meu Pai celestial, Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, ó Deus de todo o conforto, eu Te agradeço por teres revelado o teu querido Filho Jesus Cristo, em quem creio, a quem preguei e confessei, a quem Eu amei e louvei, e que o Papa e os ímpios perseguem e blasfemam. Rogo-te, meu Senhor Jesus Cristo, cuida da minha pobre alma. Pai Celestial, embora deva deixar este corpo, sei com certeza que ficarei contigo para sempre, e que ninguém possa me arrancar de Tuas mãos.". Ele também repetiu em latim João 3:16 "Deus amou o mundo de tal maneira", etc. (que era uma de suas passagens favoritas), e Salmos 68:20 "Deus é para nós um Deus de salvação, e para Jeová o Senhor pertencem as saídas da morte".[10] Perguntaram-lhe então: "Reverendo padre, você morrerá crendo em Cristo e na doutrina que pregou?" Lutero respondeu com um audível "Sim". Então, virando-se para o lado direito, adormeceu para nunca mais acordar. Ele partiu pacífica e gentilmente no Senhor, como Simeão.
  • Às quatro horas da manhã, o Príncipe de Anhalt, os Condes de Mansfeld e outros nobres apareceram. Um grande número de amigos e cidadãos compareceram durante o dia e derramaram lágrimas pelo corpo.[11] No dia 19 de fevereiro, às duas da tarde, o corpo foi levado à Igreja de Santo André com grande solenidade. O Dr. Jonas pregou o sermão fúnebre em 1 Tes. 4: 13-18, falando primeiro da pessoa e dons do Dr. Lutero, em segundo lugar da ressurreição e vida eterna.[12] O cadáver foi deixado na igreja durante a noite e vigiado por dez cidadãos. Dois pintores fizeram uma cópia do rosto morto. No dia seguinte, ao meio-dia, após outro sermão fúnebre de Celius, os restos mortais foram removidos na presença de uma grande multidão, que os acompanhou até o portão externo com muitas lágrimas e gritos. Os sinos tocaram em todas as aldeias por onde passou o cortejo fúnebre. Chegou a Halle às 8 horas e foi recebido pelos pastores, magistrados, professores, alunos e uma multidão de homens e mulheres.
  • No domingo, dia 21, a procissão seguiu para Bitterfeld e na segunda-feira para Wittenberg. O reitor, professores e alunos da Universidade, mestres e magistrados aguardavam para acompanhar os restos mortais à igreja-castelo (tão famosa pelas Noventa e Cinco Teses que vinte e nove anos antes abriram o drama da Reforma). O Dr. Pomeranus, seu pastor, pregou um sermão fúnebre alemão para cerca de mil pessoas, e Melanchthon uma oração em latim.[13]

Este documento traz em cada frase a marca de honestidade e exatidão. É de três estudiosos respeitáveis, que foram testemunhas pessoais. É totalmente consistente com o caráter de Lutero. É confirmado por tudo o que conhecemos de seus últimos dias. Ele foi aceito por seus biógrafos protestantes e não foi contestado por escritores católicos importantes, incluindo Döllinger e Janssen. Para se livrar dessas testemunhas, Majunke deliberadamente declara que eles fabricaram este relatório a fim de enganar o público e impedir o boato do suicídio de Lutero.

4. O sermão fúnebre de Celius, pregado em Eisleben na manhã de 20 de fevereiro de 1546, em vista do caixão que continha os restos mortais de Lutero, confirma o relato das três testemunhas em todos os fatos essenciais.[14]  Majunke, alega que Celius deve ser um mentiroso e aponta como apoio a sua alegação uma passagem onde Celius fala de "homens que espalharão o boato de que Lutero foi encontrado morto em sua cama".[15] No enanto, tal apreensão de Celius era bastante natural, considerando o fato de que um boato desse tipo já havia sido propagado antes da morte de Lutero. E após ela, uma carta de Jonas a Dietrich, datada de Halle, em 9 de março de 1546, relata sobre os monges e papistas espalhando o boato de que o caixão de Lutero foi encontrado vazio - isto é, que o diabo havia roubado seu cadáver.[16]

5. Além dessas testemunhas oculares de reputação bem conhecida, podemos mencionar cerca de uma dúzia de pessoas menos conhecidas que estavam presentes antes ou imediatamente após a morte de Lutero - a saber, seus dois filhos, Paulo e Martinho, seu servo Ambrósio, que ele trouxera com ele de Wittenberg, seu hóspede. Hans Albrecht, o escrivão da cidade, dois médicos de Eisleben, o conde Albrecht de Mansfeld e sua esposa, o conde Schwarzburg, e sua esposa,  e mais três condes (Philipp, Hans Georg e Volrath) de Mansfeld. 

Em menos de duas horas após a morte de Lutero, Justus Jonas enviou um relatório da morte de Lutero ao Eleitor da Saxônia[17], e o mesmo correio levou duas cartas do Conde Albrecht de Mansfeld e do Príncipe Wolfgang de Anhalt ao Eleitor[18]. O conde Hans Georg von Mansfeld informou ao duque Moritz da Saxônia no mesmo dia que o Dr. Lutero, após efetuar um acordo pacífico entre ele e seus irmãos, morreu felizmente como cristão às duas horas da manhã.[19] Também existe uma carta particular de John Aurifaber para Michael Gutt em Halle, escrita em 18 de fevereiro, relatando que Lutero morreu entre às duas e três horas da manhã, como um bom cristão, após ter comido à noite refeição saudável em espírito alegre.[20] 

Se considerarmos esse conjunto de testemunhos, podemos muito bem dizer que há poucos homens na história de que temos informações tão completas e confiáveis sobre seus últimos dias ​​como temos acerca de Lutero. Todas essas testemunhas são ignoradas por Majunke ou transformadas em mentirosos e conspiradores, que deliberadamente esconderam a verdade e enganaram o público!

E quais são as testemunhas que ele pode citar contra esses mentirosos e conspiradores? Apenas algumas polêmicas papais malignas que foram escritas trinta ou quarenta anos após a morte de Lutero, e que se baseiam em vagos rumores, sem qualquer comprovação. Suas testemunhas certamente seriam excluídas em qualquer tribunal de justiça.

Expondo a lenda

Majunke, na primeira edição, mencionou como sua testemunha mais velha um certo Christophorus Longolius de Colônia, "um teólogo tido em especial estima por Erasmo", que "no ano da morte de Lutero" citou em seu Oratio ad Lutheranos sobre um homem que pereceu miseravelmente de uma doença desagradável contraída pela licenciosidade[21]. No entanto, Kolde (pp. 24 sqq.) Provou que este tal de Longolius morreu em 11 de setembro de 1522 - vinte e quatro anos antes de Lutero - e na verdade sua referência aludia a Ulrich von Hutten, que foi infectado por aquela doença! Majunke ignora esta correção e repete a passagem de Longolius (na quarta edição, pág. 15), observando, a título de desculpa, que ele não pretendia acusar Lutero de licenciosidade, mas apenas de intemperança em comer e beber!

O boato do suicídio de Lutero por enforcamento não tomou forma impressa até 1593, quando Thomas Bozius, em uma grande obra polêmica, De Signis Ecclesiæ, publicada em Colônia, declarou isso sob a autoridade de um servo anônimo de Lutero, que quando menino foi obrigado por juramento a não divulgar o segredo, mas o divulgou após seu retorno à Igreja Católica.[22]

De um menino servo de Lutero e seu subsequente retorno à Igreja Católica, a história nada sabe. Por que Bozius não mencionou seu nome? Seu objetivo era mostrar que todos os hereges, de Simão Mago até seu próprio tempo, morreram de uma morte miserável e não natural, e depois de falar de Lutero, ele passa a afirmar com igual confiança e igual falsificação da história que Oecolampadius foi estrangulado, que Calvino morreu de uma complicação de doenças horríveis, que Bucer foi levado por um demônio feroz, que apareceu visivelmente para o terror dos espectadores, o matou e espalhou suas entranhas no quarto![23] Essas adições destroem o crédito do que ele relata sobre Lutero, e são prudentemente omitidas por Majunke.

No entanto, essa história foi prontamente creditada e repetida com várias amplificações por escritores católicos como Cornelius a Lapide (1600), que acrescentou que Lutero foi levado a agir pelo desespero e a fúria de um demônio, e o cardeal Bellarmino, que inclui o diabo distorcendo o rosto de Lutero. Por fim, Henricus Sedulius, um monge franciscano, em uma obra ferozmente polêmica contra as heresias, publicada na Antuérpia, 1606, revelou "a verdadeira história do suicídio de Lutero ao se enforcar na cabeceira da cama" com base em uma declaração escrita de um servo de câmara de Lutero (cubicularius quidam Martini Lutheri) que alegava ter carregado Lutero para sua cama em estado de embriaguez (plane obrutus potu), e o encontrou na manhã seguinte estrangulado na cabeceira da cama; e que foi obrigado por juramento a guardar o segredo e espalhar a notícia de que Lutero morreu repentinamente, mas que não podia mais resistir ao poder da verdade e à voz da consciência.[24] Então Sedulius conta a história ridícula dos corvos que foram convocados pelo chefe dos demônios e seguiram o cadáver de Lutero por todo o caminho de Eisleben a Halle e Wittenberg.

Mas Sedulius nunca viu essa confissão, nem dá o nome do "homem digno" (dignus vir) que lhe contou isso enquanto estava em Freiburg, no Breisgau, nem o nome do servo de Lutero que fez a confissão, nem a hora em que ele fez isso. Tal testemunho é absolutamente inútil e com ele permanece ou cai toda a fábula do suicídio de Lutero na cabeceira da cama. Nenhum historiador católico respeitável ousou dar crédito a isso. 

Ao desenterrar esse mito de ignorância e malícia papistas, Majunke acabou suscitando a confirmação e propagação da verdadeira história a respeito da piedosa partida do grande reformador alemão e, sem querer, prestou um bom serviço à causa do protestantismo.


Bibliografia e Referências

  • Do original "Did Luther Commit Suicide?" publicado na The Magazine of Christian Literature. Volume 3, pag. 161-167, ano 1980 - Tradução e Edição por Elisson Freire.
  • Luthers Lebensende. Eine historische Untersuchung von PAUL MAJUNKE. Vierte vermehrte Auflage. Mainz, 1890 (pp.102). - O fim da vida de Lutero. Um estudo histórico de PAUL MAJUNKE. Quarta edição aumentada. Mainz, 1890 (pp. 102).
  • Die historische Kritik über Luthers Lebensende von Paul MAJUNKE. Mainz, 1890 (pp. 106). A crítica histórica do fim da vida de Lutero por Paul MAJUNKE. Mainz, 1890 (pp. 106).
  • Luthers Selbstmord. Eine Geschichtslüge P. Majunke's beleuchtet von Dr. Th. KOLDE, ord. Prof. der hist. Theologie in Erlangen. Dritte verbesserte und vermehrte Auflage. Erlangen und Leipzig, 1890 (pp. 45). - O suicídio de Luther. Uma mentira histórica de P. Majunke iluminada pelo Dr. Th. KOLDE, ord. Prof. de teologia histórica em Erlangen. Terceira edição melhorada e aumentada. Erlangen e Leipzig, 1890 (pp. 45).
  • Noch einmal Luther s Selbstmord. Erwiderung auf Majunke's neueste Schrift von Dr. TH. KOLDE, ordentlicher Prof. in Erlangen. Erlangen und Leipzig, 1890 (pp. 28). O suicídio de Luther novamente. Resposta aos últimos escritos de Majunke pelo Dr. º. KOLDE, professor titular em Erlangen. Erlangen e Leipzig, 1890 (pp. 28) .
  • Dr. Kolde und die Schrift Majunke's über Luther's Tod, in the "Historisch-Politische Blätter" (Rom. Cath.), Bd. 106, No 1 München, 1890. - Os escritos de Kolde e Majunke sobre a morte de Lutero, no "Historisch-Politische Blätter" (Rom. Cath.), Bd. 106, No 1 Munich, 1890.
  • Luthers Lebensende in neuester ultramontaner Beleuchtung von Dr. GUSTAV KAWERAU, Prof. der Theologie in Kiel. Barmen, 1890 (pp. 40). - O fim da vida de Lutero na mais recente iluminação ultramontana do Dr. GUSTAV KAWERAU, professor de teologia em Kiel. Barmen, 1890 (pp. 40).
  • Ein letztes Wort an die Luher-Dichter von PAUL MAJUNKE. Mainz, 1890 (pp. 52). With a picture of the house in Eisleben where Luther died. - Uma última palavra aos poetas Luher de PAUL MAJUNKE. Mainz, 1890 (pp. 52). Com uma foto da casa em Eisleben onde Luther morreu.
  • Der Selbstmord Luthers, geschichtlich erwiesen von Dr. MARTIN HONEF. München, 1890 (pp. 92). Several newspaper articles on this controversy are noticed by Majunke in his second pamphlet, pp. 8---35. - O suicídio de Lutero, historicamente comprovado pelo Dr. MARTIN HONEF. Munique, 1890 (pp. 92). Vários artigos de jornal sobre esta controvérsia são notados por Majunke em seu segundo panfleto, pp. 8-35.

Notas

  • 1. O seguinte trecho pode servir como um belo espécime (pp. 59 sqq.): 
    • "Terrível e misteriosa é a maneira pela qual Lutero se separou deste mundo, terríveis e misteriosas são as circunstâncias em que ele foi enterrado. O mais interessante é o relato de Helmesius sobre os corvos que seguiram o cadáver de Lutero. Quando o cadáver de Lutero chegou à cidade de Halle no caminho de Eisleben para Wittenberg, ele diz, e foi trazido com grande pompa para a Igreja da Virgem Maria, a multidão de corvos que veio com o cadáver e continuou com ele no dia seguinte era tão grande que nenhuma geração pode se lembrar de ter visto um número maior de corvos. Sim, a quantidade de corvos que chegaram com o cadáver de Lutero era tão grande que os telhados das casas e os galhos das árvores mal davam para dar lugar a cada corvo, os luteranos que vigiavam o cadáver cantavam seus cânticos de igreja luterana a noite toda. Os corvos nos telhados e nas árvores gritavam a noite toda sem cessar. Luteranos e corvos encheram a noite com seus gritos, de modo que às vezes não se podia distinguir se os gritos dos luteranos abafaram os corvos ou o grito dos corvos abafou os luteranos. Assim como esses incontáveis ​​corvos vieram com o cadáver de Lutero, eles também deixaram a cidade com o cadáver de Lutero no início da manhã. Incontáveis ​​corvos seguiram o cadáver de Lutero.
    • "O próprio Helmesius foi logo depois para Halle, onde este fato notável foi contado a ele e todos estavam falando sobre isso. Certamente nenhum mortal teve uma companhia estranha após sua morte enquanto o mundo existe. Será difícil explicar esse estranho fato de uma forma completamente natural.
    • "Fala-se muito de um fedor pestilento que, apesar do frio glacial, emanava do cadáver de Lutero, de modo que era impossível que as pessoas carregassem o cadáver do portão da cidade de Wittenberg para a igreja do castelo e tiveram que usar cavalos para isso. Mesmo que esse fedor pestilento fosse tão grande, ele não pode fornecer uma explicação suficiente para essa reunião extraordinária de corvos que seguiram o cadáver de Lutero.
    • “O olho que despreza o pai e olha torto para a mãe deve ser arrancado pelos corvos, assim diz o Espírito Santo”.
  • 2. Welche Lügenschrift von D. Martin Luthers Tod zu Rom ausgegangen. - A escrita mentirosa sobre a morte de D. Martinho Lutero em Roma. Anno 1545. Impresso pela primeira vez com este título em Wittenberg, 1545. Na edição de Walch Of Luther's Werke, vol. XXI., Segunda parte, 252-257; Erlangen ed., Vol. xxxii., 425-430.
  • 3. In De Wette's edition of Luther's Briefe, Sendschreiben und Bedenken, vol. V., 780-792. - Na edição de Cartas de Lutero, Missions and Concerns, vol. V., 780-792.
  • 4. "Du willst sorgen," escreve ele, em 7 de fevereiro (De Wette, v., 787), "Você realmente se atormenta como se Deus não fosse todo-poderoso e não pudesse produzir novos doutores Luteros às dezenas, se o antigo se afogasse no Saale ou morresse de alguma outra forma. Eu tenho Alguém que cuida de mim melhor do que você e os anjos jamais poderiam fazer. Ele está sentado à direita do Pai Todo-Poderoso. Acalme-se então. Amém..."
  • 5. Vagamente citado em Statius, Thebaid., Lib. XII. v. 816 sq. "Nec tu divinam Æneida tenta, Sed longe sequere et vestigia sempre adora." Tradução livre: "E não rivalizar com a divina Eneida, mas seguir longe e sempre venerar seus passos".
  • 6. "Wir sind Bettler. Das ist wahr." [Nós somos mendigos. Essa é a verdade.] Lembro que o Dr. Neander ficou profundamente impressionado com essas palavras, e as escreveu em meu álbum com o acréscimo: Theologia crucis non gloria ”.
  • 7. Walch, Vol. XXI. (Theil II., Nachlese. pp. 280-296).  Majunke reimprimiu o relatório como uma alegada ficção em sua primeira brochura e, assim, forneceu a melhor refutação de sua calúnia para leitores atentos.
  • 8. A Igreja Luterana reteve a princípio, além do Batismo e da Ceia do Senhor, como um terço dos sete sacramentos católicos, a Confissão e a Absolvição. Lutero costumava se confessar com o Dr. Bugenhagen, seu pastor.
  • 9."Rogai todos, meus amigos, pelo Evangelho de Nosso Senhor, para que o seu reinado seja prolongado, porque o Concílio de Trento e o Papa o ameaçam muito". Deve ser lembrado que o Concílio de Trento estava em sessão na época e terminou com um anátema sobre todas as distintas doutrinas protestantes.
  • 10. Em um autografo mantido em Rudolstadt, Paul Luther faz menção especial ao fato de que seu pai repetiu a passagem João 3:16 três vezes em seu leito de morte na presença dele e de seu irmão Martin. Ver Köstlin, Martin Luther, II., 688 (2ª edição, 1883).
  • 11. Grande parte da nobreza junto com varias centenas de pessoas o viu deitado no caixão, a maioria dos quais o conhecia.
  • 12. O sermão foi impresso em Walch. eu. c. 863-886.
  • 13. Ambos são impressos na edição de Walch, l. c. 829 sqq. e 842 sqq.
  • 14. Na edição de Walch, vol. xxi. (II respigas), 303 329.
  • 15. “Como temo, já existem pessoas que são movidas pelo espírito maligno, como se o tivessem encontrado morto na cama. Agora não tenho dúvidas, quem é um mentiroso desde o início, muitas mais e mais mentiras rápidas inventam."
  • 16. Kawerau, Correspondência de Justus Jonas, II 186: "Monachi et papista finxerunt in feretro Lutheri evanuisse corpus, vácuo huc nos adrexisse feretrum." Kolde chamou a atenção de Majunke para esta carta.
  • 17. Na correspondência de Kawerau de Justus Jonas II. 177., sq.
  • 18. Krumhaar, Grafschaft Mansfeld, Eisleben, 1855, p. 278. Kolde, l. c. 10.
  • 19. Kawerau, l. c. II., 180.
  • 20. Veja a carta em Kolde, Anakcta Lutheran, p. 427, e em seu livro contra Majunke, p. 11.
  • 21. "Nostis hominem altero crure claudum ... morbo qui libidinem ejus obscenis pustulis indicet, foede misereque confectum." O livro de Longolius foi publicado em Colônia, 1645.
  • 22. "Lutherus cum vespere lavte caenasset, ac laetus somno se dedisset, ea nocte suffocatus interiit. Audivi haud ita pridem compertum testimonio sui familiaris, qui tum puer illi serviebat et superioribus annis ad nostros se recepit, Lutherum sibimet ipsi laqueo injecto necem miserrimam attulisse; sed datum protinus eunctis domesticis rei consciis jusjurandum, ne factum divulgarent, ob honorem adjecere Evangelii." Lib. XXIII., c.3, quoted by Majunke, p. 25, and more fully by Kolde, p. 25 sq.Lib. 23., C.3 citado por Majunke, p. 25, e mais detalhadamente por Kolde, p. 25 sq.
  • 23. "Bucero dicunt animam pene agenti astitisse daemona horrendum, qui cunctos astantes timore exanimarit, a quo ut animam aveheret secum, fuerit perculsus; nam lecto deturbatus effusis per cubiculum passim huc illuc visceribus multisque cruciatibus exanimatus exspiravit."
  • 24. Praescriptiones adversus Hareticos, Ch. XVIII., 25-27. Majunke, p. 95 sq. O livro está repleto de relatos sobre a morte horrível de hereges. Entre outras ficções, Sedulius afirma que Oecolampadius lamentou a morte de Zuinglio, por ser incestuoso "ut paulo post a famina, quam incestis polluit nuptiis, in lecto extinctus repertus fuerit.".




Considere apoiar financeiramente o blog. Qualquer valor doado contribui muito para a difusão do conhecimento!
fixtemplates Pro
Publique seu artigo! Será um grande prazer contar com sua colaboração.